É o nosso 19º Aniversário!

Cotações de petróleo flutuarão até o fim da semana

Os “touros” ao redor do mundo vêm tentando ao longo das diversas sessões negociais desesperadamente elevar as cotações de petróleo. A sessão europeia, particularmente, assiste uma formação de uma possível reversão nos preços do hidrocarboneto. Até o momento, os movimentos ascendentes colocaram o nível do petróleo Brent com contratos para maio a 39,2 USD e o WTI a 36,9 USD por barril. Todavia a situação poderá mudar.

O apoio aos preços advém mormente das estatísticas sobre as reservas norte-americanas, preparadas pelo  American Petroleum Institute, o qual relatou uma ligeira queda na extração de 1,5 milhões de barris, muito menos do que o esperado. As autoridades norte-americanas decidiram abandonar o programa de expanção de novas perfurações no Oceano Atlântico, onde estavam previstas para o início do período 2017-2022 com vistas ao fortalecimento da produção de petróleo e gás. Esta decisão foi tomada devido aos baixos preços dos hidrocarbonetos, bem como a falta de investimentos necessários em infra-estrutura na região.

Todavia, estes fatores não são suficientes para manter o crescimento o preço do petróleo, mesmo no curto prazo. No longo prazo a situação é ainda mais crítica, uma vez que os países da OPEP não deram sinais de alteração no volume das produções nacionais. De qualquer forma, observa-se também uma determinação dos “ursos” em deixar as cotações baixas, de modo que no médio prazo os preços se equilibrem a 30-33 USD por barril. Esta tensão poderá causar elevada volatilidade dos preços nos próximos dias.

Hoje, o petróleo Brent será negociado na faixa de 38,5-39,5 USD por barril.

Atenção:

Os prognósticos apresentados nas análises constituem a visão pessoal do autor. Os comentários feitos não podem ser considerados recomendações ou guia de trabalho nos mercados financeiros. A Alpari de modo algum fica responsável por algum prejuízo (ou outro dano), direto ou indireto, que possa surgir pelo uso do material publicado.

Voltar ao topo