É o nosso 19º Aniversário!

Venezuela eleva o preço da gasolina mais barata do mundo

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, anunciou a medida de elevar o preço da gasolina no país em paralelo a desvalorização do bolívar em 37%. Reconhecidamente por regular a gasolina mais barata do mundo, o governo agora procura medidas para apoiar a economia nacional, que está em perigo diante da conjuntura internacional de queda profunda nos preços do petróleo. Durante mais de 20 anos, a Venezuela manteve os preços da gasolina tabelados a 0,01 USD por litro. A partir de agora, o litro passará a custar 0,97 USD.

A estratégia anunciada por Maduro poderá realmente funcionar nas atuais condições que a Venezuela se encontra, todavia a manobra é arriscada se analisar a opinião pública. Em 1989, quando o governo da época estabeleceu um plano anticrise parecido aumentando o valor da gasolina, o descontentamento da população provocou graves confrontos nas ruas e o caos se alastrou pelo país. Em seguinda, o pacote “neoliberal” causou um empobrecimento ainda mais acentuado da população, colocando mais pressão sobre o governo de Caracas, o qual reagiu violentamente, vitimando cerca de 3 mil pessoas.

De qualquer forma, um plano anticrise se faz urgente e o prazo de ação se torna cada vez mais exíguo. As estatísticas macroeconômicas do país latino-americano demonstram a gravidade da situação: a inflação em setembro de 2015 era de 109% e a taxa de juros do Banco Central batia 21,03% em dezembro; a dívida pública soma atualmente 49% do PIB. Interessante notar que, apesar da taxa de emprego ser alta – 94% da população contra 6% de desempregados, no geral a parcela ativa da força de trabalho ficou mais pobres.

No cenário internacional, o país foi responsável pela organização da discussão entre os grandes produtores de petróleo sobre o congelamento dos preços, com vistas a aumentar o orçamento estatal. O assunto permanece na pauta mais importante da política externa, uma vez que cada vez mais a economia nacional venezuelana aprofunda sua dependência às vendas de commodities.

Atenção:

Os prognósticos apresentados nas análises constituem a visão pessoal do autor. Os comentários feitos não podem ser considerados recomendações ou guia de trabalho nos mercados financeiros. A Alpari de modo algum fica responsável por algum prejuízo (ou outro dano), direto ou indireto, que possa surgir pelo uso do material publicado.

Voltar ao topo