É o nosso 19º Aniversário!

Reunião do FOMC e referendo na Inglaterra prometem agitar a dinâmica do par GBPUSD

Em junho, haverá dois acontecimentos de importância fundamental para os EUA e Reino Unido. No dia 15 junho, o Federal Reserve dos EUA irá decidir sobre as taxas de juros, e no dia 23 de junho, o Reino Unido realizará um referendo sobre a permanência do país na União Europeia (Brexit).

Os traders que trabalham com o par GBPUSD vêm acompanhando de perto o resultado desses eventos, já que existe a probabilidade da emergência de pelo menos três cenários para o comportamento do par GBPUSD. São eles:

1. Alta volatilidade: O Fed dos EUA decide aumentar as taxas de juro e no Reino Unido ocorre a decisão para a retirada da UE ou a composição, independentemente da decisão do Fed, o Reino Unido sairá da UE;

2.Volatilidade média: o Fed eleva as taxas, o Reino Unido permanece na UE ou o Fed não aumentará as taxas, e o Reino Unido sai da UE;

3. Volatilidade baixa: o Fed deixa taxas inalteradas e o Reino Unido permanece na UE.

Caso primeiro: elevação das taxas de juros nos EUA

De acordo com a CME, a probabilidade de aumento das taxas de juros nos EUA em junho é de menos de 2%. Todavia, a probabilidade do Reino Unido deixar a estrutura da UE é indicado como um risco para os mercados financeiros. De acordo com uma pesquisa recente concernente aos 70 principais economistas norte-americanos, conduzido pelo The Wall Street Journal, há um risco de 21% de uma recessão na economia dos EUA ao longo dos próximos 12 meses, a qual tem por base quatro fatores principais:

1. Problemas na economia da China. Este fator é mencionado cerca de 40% dos entrevistados;

2. Redução do custo dos investimentos capitais. De acordo com o Departamento de Comércio dos EUA, o investimento empresarial diminuiu 12% desde setembro de 2014;

3. Incertezas sobre a eleição presidencial nos Estados Unidos;

4. A desaceleração da economia dos EUA e o início da recessão, observada por 15% dos entrevistados, ou cerca de 11 pessoas.

Observe-se o fato de que apenas três entrevistados citaram Brexit como um fator de risco para a economia dos EUA.

Caso segundo: o Reino Unido e a União Europeia

Apesar do fato de que os apoiantes da adesão do Reino Unido à UE continuem sendo maioria, de acordo com uma pesquisa publicada na YouGov 41% dos entrevistados já querem votar para a saída da UE. De fato, o jornal The Guardian informou no dia 20 de maio que o Bank of England criou um grupo de trabalho chefiado pelo vice-governador John Cunliffe para estudar as consequências econômicas e financeiras em caso de sua retirada da estrutura da UE, o que poderá ocorrer em 2017. A promessa de umreferendo sobre a adesão à UE representa uma campanha eleitoral bem sucedida do primeiro-ministro David Cameron.

Perspectivas negociais para o par GBPUSD

Desde fevereiro de 2013, a libra começou a subir a partir de 1,4826 e, ao longo de três ondas “fibo” excedeu 200%, chegando a 1,7190 no dia 15 de julho de 2013. Em seguida, deu início a uma tendência de queda que durou quase seis meses sem correção. Este declínio continuou até depois do anúncio do referendo, indicado na linha vertical cinza no gráfico abaixo.

Surge como meta a possibilidade da continuação da tendência de baixa no médio e longo prazo, uma vez que o objetivo mínimo de 138% em âmbito do “fibo” da primeira onda vermelha para baixo não foi alcançado (1,3557). O próximo, poderá se formar no nível de 1,2937 (queda de 162%).

Alternativamente, desenvolve-se uma segunda onda de vermelho para baixo na área de 1,4158 (queda de 138%), e a possibilidade de uma redução para 1,4054. Abaixo deste nível temos a marca  psicologicamente importante de 1,4000. A partir dessas áreas poderá ocorrer a recuperação e crescimento subsequente para a área de 1,5620.

Atenção:

Os prognósticos apresentados nas análises constituem a visão pessoal do autor. Os comentários feitos não podem ser considerados recomendações ou guia de trabalho nos mercados financeiros. A Alpari de modo algum fica responsável por algum prejuízo (ou outro dano), direto ou indireto, que possa surgir pelo uso do material publicado.

Voltar ao topo